Archive for Setembro, 2009

QUEBRA-CABEÇAS

30/09/2009

Este é um jogo/quebra-cabeças no qual o jogador tenta encurralar o gato preto ao carregar nas bolas verdes.

apanha_o_gato

Anúncios

PRAXE NA UALG

29/09/2009

Não posso aceitar e creio que é indigno para a Universidade do Algarve que após o ritual de Praxe desta 3ª feira, alguns estudantes de Gambelas (refiro-me a Gambelas porque foi o que presenciei), que devem ser um exemplo de cultura, civismo e de saber-estar na sociedade abandonem garrafas de plástico, garrafas de vidro, bidões com mistelas, papeis, embalagens, latas e resíduos diversos na área de pinhal  em pré-Parque da Ria Formosa e nos passeios envolventes ao Campus de Gambelas sem se preocuparem em proceder à limpeza do local.

Uma formação superior para além dos estudos técnicos e especializados nas diferentes áreas, passa também por ter uma boa formação cívica e moral e hoje infelizmente não vi isso e creio que devem tomar-se medidas efectivas para acautelar que no futuro situações idênticas às de hoje não tornem a acontecer.

Como não poderia deixar de ser antes de colocar este post no blog, enviei ao Magnifico Reitor da UAlg um e.mail a denunciar esta situação e a solicitar a remoção dos detritos nestes locais.

praxe 011

praxe 016

praxe 014

RESULTADOS DAS LEGISLATIVAS 2009

28/09/2009

Decorreram ontem as eleições legislativas 2009, saindo-se vencedor o Partido Socialista de José Sócrates, com 36,56%, embora longe da maioria absoluta. Apesar da vitória (uma “Extraordinária Vitória” de acordo com José Sócrates), é de realçar que este é um dos piores resultados de sempre do Partido Socialista, perdendo em relação a 2005, 24 deputados, totalizando agora 96 mandatos. Só no Algarve o PS perde 3 deputados (1 para o PSD, 1 para o BE e 1 para o CDS), ficando agora com 3 deputados pelo Algarve, o mesmo número alcançado pelo PSD.

A taxa de abstenção em 2009 foi ligeiramente superior à verificada em 2005, cifrando-se em 39,40%. Desta vez, ao contrário do que se sucedeu nas eleições Europeias do passado mês de Junho, as sondagens realizadas na última semana de campanha e as projecções à boca da urna corresponderam genericamente à verdade.

O PSD de Manuela Ferreira Leite tem um resultado desastroso, alcançando 78 deputados (mais 6 em relação a 2005) e obtendo uma percentagem pouco acima da percentagem alcançada por Pedro Santana Lopes em 2005 (28,70%), que como todos sabemos concorreu em condições extremamente dificeis. Nas suas declarações, Manuela Ferreira Leite apesar de assumir as suas responsabilidades, tentou desdramatizar o péssimo resultado que obteve, como se nada de especial tivesse acontecido e “agarrando-se” às eleições autárquicas que aí vêm. Mas este assunto (eleições europeias, legislativas e autárquicas) terá forçosamente de ser bem discutido internamente.  

O CDS alcança o seu melhor resultado dos últimos 26 anos, fruto de uma boa franja de eleitorado descontente do PSD, chegando aos dois dígitos em termos percentuais (10,46%) e alcançando 21 deputados contra os 12 alcançandos em 2005, passando a ser a 3ª força política mais votada e com deputados eleitos em círculos eleitorais de Norte a Sul do País e Ilhas (Madeira), sendo por este facto, pela primeira vez, um verdadeiro partido “nacional”.

O Bloco de Esquerda teve um resultado “demolidor” no Algarve e em Faro ultrapassando os 15%, elegendo folgadamente um deputado por este círculo eleitoral. A nível nacional, o BE ficou-se pelos 9,85%, duplicando o seu número de mandatos que passa a ser de 16 deputados.

A CDU subiu ligeiramente conseguindo conquistar mais 1 deputado (agora 15) em relação a 2005.

Resultados a nível Nacional

PS: 36,56% – 96 deputados

PSD: 29,09% – 78 deputados

CDS: 10,46% – 21 deputados

BE: 9,85% – 16 deputados

CDU: 7,88% – 15 deputados

outros: 3,11%

Brancos/Nulos: 3,05%

Abstenção: 39,40%

Resultados no Algarve

PS: 31,86% – 3 deputados

PSD: 26,16% – 3 deputados

CDS: 10,71% – 1 deputado

BE: 15,38% – 1 deputado

CDU: 7,75%

outros: 4,46%

Brancos/Nulos: 3,68%

Abstenção: 41,02%

Resultados no Concelho de Faro

PS: 32,90%

PSD: 26,05%

BE: 15,38%

CDS: 10,43%

CDU: 8,0%

outros: 3,14%

Brancos/Nulos: 4,10%

Abstenção: 40,96%

AFLUÊNCIA NAS LEGISLATIVAS

27/09/2009

A pouco mais de três horas do encerramento das urnas, já votaram 43,3% dos eleitores.

Tradicionalmente, as últimas 3 horas são de grande afluência pelo que prevejo uma taxa de participação a rondar os 63%.

GATO FEDORENTO ESMIUÇANDO FRANCISCO LOUÇÃ

25/09/2009

SONDAGENS PARA AS LEGISLATIVAS

25/09/2009

Nos últimos dias foram realizadas diversas sondagens para as eleições legislativas 2009. Assim, ficam aqui registadas as últimas três sondagens disponiveis antes das eleições e que são as do Público – Intercampus/ RTP – Universidade Católica / Correio da Manhã – Aximage.  

PS: 38% / 38% / 38,8%

PSD: 29,9% / 30% /29,1%

BE: 9,4% / 11% / 10%

PCP: 8,4% / 7 % / 8,4%

CDS: 7,7% / 8% / 8,6%

O Partido Socialista vence, mas ainda fica longe da maioria absoluta. O PSD tem uma ligeira melhoria em relação à votação alcançada por Pedro Santana Lopes, mas fica aquém das expectativas, mais que não seja, pelas expectativas criadas com a vitória alcançada nas Europeias por Jorge Rangel.

O BE continua a sua escalada ascendente e prevê-se que duplique o número de deputados na Assembleia da República. O PCP praticamente mantém o seu eleitorado e o CDS está em franca ascenção, tanto mais que este partido é sempre penalizado nas sondagens.

Domingo veremos se os cidadãos confirmam estes resultados, ou, à semelhança do que se sucedeu nas Europeias alteram à boca da urna o seu sentido de voto.

GATO FEDORENTO ESMIUÇANDO JERÓNIMO DE SOUSA

25/09/2009

GATO FEDORENTO ESMIUÇANDO PAULO PORTAS

24/09/2009

GATO FEDORENTO ESMIUÇANDO FERREIRA LEITE

24/09/2009

GATO FEDORENTO ESMIUÇANDO JOSÉ SÓCRATES

23/09/2009

PSD E FERREIRA LEITE FORAM TRAÍDOS

22/09/2009

A inabilidade com que o processo das alegadas escutas à Presidência da República foi gerido por parte do sr. presidente, é por demais evidente.

Em 1995 foi Fernando Nogueira, em 2005 foi a vez de Santana Lopes e em 2009 chegou a vez de Manuela Ferreira Leite ser vítima da estratégia de Cavaco Silva.

22/09/2009

Leg2009

21/09/2009

Passeio-pedestre-NAMB-QUERCUS-Faro-LUDO-PONTAL-birdwatching-fauna-flora-walk-cartridge-world-Ambiente

VISÃO DEMOCRÁTICA EM FARO

19/09/2009

Considero triste e lamentável que após 35 anos de democracia em Portugal e em pleno século XXI, ocorram cenas de falta de tolerância e de respeito democrático na capital de uma das regiões mais cosmopolitas e desenvolvidas do nosso país.

Não me querendo alongar, para já, muito mais sobre este assunto, deixo algumas imagens do triste espectáculo com que algumas pessoas presentiaram a cidade de Faro, os farenses e a candidatura da coligação “Faro está primeiro”.

DSC01944

Sede2

QUALIDADE DE VIDA EM FARO – CONCLUSÕES

18/09/2009

A Casa do Povo de Estoi acolheu na noite de ontem, 16 de Setembro, mais um colóquio organizado pela candidatura “Faro está Primeiro”, subordinado desta vez ao tema da Qualidade de Vida. Fechando o ciclo de intervenções, o Eng.º Macário Correia elegeu cinco áreas fundamentais de actuação para a melhoria necessária dos padrões de qualidade de vida no concelho:

– Perda da capitalidade – ao contrário dos nossos adversários, que têm uma visão redutora da condição geográfica de Faro, Macário Correia defende que Faro se deve assumir como um concelho charneira no desenvolvimento de toda a Região;
Desqualificação do espaço público – é necessário resgatar alguma qualidade de vida nos bairros da cidade e nas ruas e artérias das freguesias. É preciso limpar arruamentos, acarinhar os espaços verdes e recuperar o estado dos equipamentos públicos. Numa palavra, é preciso qualificar o espaço público farense e usar de muita pedagogia para alterar os comportamentos menos cívicos de uns poucos;
Ausência de um planeamento estratégico global – Exceptuando Estoi e uma parte de Santa Bárbara de Nexe, Faro não tem o seu espaço arrumado. Abundam medidas avulsas e desgarradas, mas falta uma visão sistémica do território. É preciso acabar com “a política da courela”;
Péssima situação financeira do município – um passivo gigantesco, de quase 90 milhões de euros, não nos deixa grande margem para, num só dia, resolvermos todos os problemas das pessoas. No entanto, tem que haver recursos para responder às necessidades das populações e conseguir aumentar a qualidade de vida de quem reside, trabalha ou faz férias no nosso concelho. É um imperativo de desenvolvimento;
Falta de organização interna da autarquia – para dar uma resposta mais expedita às solicitações, é preciso limar arestas no funcionamento da Câmara. Motivar as pessoas é algo que manifestamente não tem sido bem feito nos últimos 20 anos. Por outro lado, há estruturas internas e gabinetes que se sobrepõem, o que resulta em perdas de eficácia e em desresponsabilização.

O evento contou igualmente com prelecções de conhecidos pensadores sobre o assunto como o Dr. Fernando Silva Grade, o presidente e recandidato à Junta de Freguesia de Estoi, Dr. José Paula Brito e do Arq.º Paisagista Jorge Coelho. Depois de décadas de completa descaracterização do recorte arquitectónico farense, a “beleza branca”, para Fernando Silva Grade há que mudar de paradigma: o progresso de um determinado território não pode suster-se num desenvolvimento em quantidade mas sim em qualidade. O conhecido artista plástico, que vem defendendo que Faro tem que defender com unhas e dentes o que resta do seu património arquitectónico, sob pena de perder o que resta da sua identidade, disse no final da conferência que acredita que “Macário Correia personifica a visão, a abertura de espírito e a mentalidade contemporânea” que garante um desenvolvimento qualitativo.

De realçar ainda a apresentação do arquitecto paisagista Jorge Coelho, para quem a Qualidade de Vida só estará ao alcance de Faro, se garantirmos um atento e empenhado ordenamento do território e das acessibilidades. Para este especialista é ainda necessária a qualificação da integração da cidade na envolvente, bem como uma visão mais alargada ao nível dos transportes, sugerindo a constituição de uma Entidade Regional de Transportes. De resto, essenciais são também os sistemas de mobilidade e transportes centrados na comunidade.

No final dos trabalhos, moderados pelo Eng.º Bruno Lage, houve lugar a uma animada sessão de perguntas e respostas.

DSC04016

HPIM1657

HPIM1658

HPIM1660

HPIM1661

HPIM1659

GRUPOS DA LIGA EUROPA

17/09/2009

uefaq

QUALIDADE DE VIDA DISCUTIDA EM FARO

14/09/2009

Vai decorrer 4ª feira (dia 16), às 21h30, na aldeia de Estoi (casa do Povo), um colóquio/debate subordinado ao tema “Qualidade de Vida no concelho de Faro”.

O termo Qualidade de Vida, embora seja um conceito relativamente recente, é hoje em dia, amplamente referenciado em discursos e conversas informais, sendo um tema central e praticamente obrigatório em todas as análises e políticas de gestão, ordenamento e planeamento do território, em particular das cidades.

Contudo, apesar de ser um “chavão” muito aplicado, o conceito de Qualidade de Vida é complexo e engloba diversos aspectos, que se interligam, e que vão desde as questões mais materiais, ligadas à satisfação das necessidades humanas básicas, até às questões imateriais (p.e., a segurança, ambiente, cultura, a participação cívica).

Vem assistir e participar neste interessante debate que tem como um dos principais objectivos identificar as questões mais pertinentes que os farenses pretendem ver melhoradas e quais os principais problemas que anseiam ver solucionados ou minimizados.

A entrada é livre!

C O L Ó Q U I O / D E B A T E
“Qualidade de vida no Concelho de Faro”
16 Setembro – 4ª feira – 21h30
Casa do Povo de Estoi
Moderador: Eng.º Bruno Lage
Oradores : Dr. José Paula Brito,
Arq. Jorge Coelho,
Dr. Fernando Grade
Encerramento: Eng.º Macário Correia

14/09/2009

conflitonocerebro4

A NOVA LÍNGUA PORTUGUESA

09/09/2009

A língua portuguesa tem evoluido muito nos últimos anos.

As criadas dos anos 70 passaram a “empregadas domésticas” e preparam-se agora para receber menção de “auxiliares de apoio doméstico” .

De igual modo, extinguiram-se nas escolas os “contínuos “passaram todos a “auxiliares da acção educativa”.

Os vendedores de medicamentos, com alguma prosápia, tratam-se por “delegados de informação médica”.

E pelo mesmo processo transmudaram-se os caixeiros-viajantes em “técnicos de vendas”.

O aborto eufemizou-se em “interrupção voluntária da gravidez”;

Os gangs étnicos são “grupos de jovens”

Os operários fizeram-se de repente “colaboradores”

As fábricas, essas, vistas de dentro são “unidades produtivas”e vistas da estranja são “centros de decisão nacionais”.

O analfabetismo desapareceu da crosta portuguesa, cedendo o passo à “iliteracia” galopante.

Desapareceram dos comboios as 1.ª e 2.ª classes, para não ferir a susceptibilidade social das massas hierarquizadas, mas por imperscrutáveis necessidades de tesouraria continuam a cobrar-se preços distintos nas classes “Conforto” e “Turística”.

A Ágata, rainha do pimba, cantava chorosa: «Sou mãe solteira…» ; agora, se quiser acompanhar os novos tempos, deve alterar a letra da pungente melodia: «Tenho uma família monoparental…» – eis o novo verso da cançoneta, se quiser fazer jus à modernidade impante.

Aquietadas pela televisão, já se não vêem por aí aos pinotes crianças irrequietas e «terroristas»; diz-se modernamente que têm um “comportamento disfuncional hiperactivo”

Do mesmo modo, e para felicidade dos “encarregados de educação” , os brilhantes programas escolares extinguiram os alunos cábulas; tais estudantes serão, quando muito, “crianças de desenvolvimento instável”.

Ainda há cegos, infelizmente. Mas como a palavra fosse considerada desagradável e até aviltante, quem não vê é considerado “invisual”. (O termo é gramaticalmente impróprio, como impróprio seria chamar inauditivos aos surdos – mas o “politicamente correcto” marimba-se para as regras gramaticais…)

As putas passaram a ser “senhoras de alterne”.

Para compor o ramalhete e se darem ares, as gentes cultas da praça desbocam-se em “implementações”, “posturas pró-activas”, “políticas fracturantes” e outros barbarismos da linguagem.

E assim linguajamos o Português, vagueando perdidos entre a «correcção política» e o novo-riquismo linguístico.

Estamos lixados com este “novo português”; não admira que o pessoal tenha cada vez mais esgotamentos e stress. Já não se diz o que se pensa, tem de se pensar o que se diz de forma “politicamente correcta”.

E na linha do modernismo linguístico, como se chama uma mulher que tenta destruir a educação em Portugal? – Ministra !