Archive for Julho, 2010

VÊM AÍ AS PORTAGENS NA VIA DO INFANTE

31/07/2010

De acordo com uma noticia avançada pela Lusa, o secretário de Estado Adjunto das Obras Públicas e Comunicações admitiu hoje no Algarve que as portagens na Via Infante podem chegar ainda antes de terminada a requalificação da EN-125, mas garante isenção para todos os residentes.

“Se a decisão da introdução de portagens passar a ser antes do que aquilo que estava previsto, passará sempre a ser garantida a isenção de portagens para aqueles que vivem e trabalham no Algarve, porque dessa forma é que asseguraremos o requisito fundamental, nomeadamente a discriminação positiva”, declarou aos jornalistas Paulo Campos.

À margem da cerimónia de inauguração da Variante Norte de Loulé à EN-270, Paulo Campos admitiu que introduzir portagens na Via Infante (A22) se trata de uma medida “que nenhum Governo gosta de tomar” e que é tomada em “condições excepcionais”.

Anúncios

30/07/2010

BARCO PARA A PRAIA DE FARO A PARTIR DE HOJE

17/07/2010

As carreiras por via marítima para a Praia de Faro recomeçaram hoje a bordo de um novissimo catamarã.

O percurso entre Faro e a Praia de Faro tem a duração de meia hora e há transporte a partir de Faro às 8h45, 10h15, 11h45, 14h15, 15h45, 17h15 e 18h30.

Na Praia de Faro o horário é: 09h30, 11h00, 12h30, 15h00, 16h30, 18h00 e 19h15.

Os bilhetes têm o preço de 3 euros, ida e volta, ou 1,80 euros, só ida, para adultos e 1,50 euros, ida e volta, ou 0,90 euros, só ida, para crianças.

BP TRAVOU A FUGA DE PETRÓLEO

16/07/2010

A petrolífera britânica BP anunciou ontem, quinta-feira, que conteve a fuga do petróleo que é derramado há cerca de três meses no Golfo do México.

O sucesso da operação ocorre depois da petrolífera ter fechado todas as válvulas da nova tampa colocada nos tubos danificados.

“É bom ver que o crude já não vai mais para o Golfo do México”, afirmou o vice-presidente da BP, Kent Wells, alertando, no entanto, que se trata apenas do início de um “teste”.

A BP começou um teste crucial para avaliar a resistência das tubagens de crude que estiveram na origem da pior maré negra da história dos Estados Unidos, a 20 de Abril, na sequência da explosão de uma plataforma.

Esta operação pretende averiguar se as tubagens podem ser fixadas sem risco de novas fugas naquelas instalações, que estão a quatro quilómetros de profundidade.

Kent Wells acrescentou que a fuga de petróleo foi parada quando a última das três válvulas do novo dispositivo foi fechada pelas 18.25 horas (hora de Lisboa), assegurando que os técnicos do grupo vão ficar em alerta para monitorizar qualquer outra possível fuga.

O teste deve permitir determinar se a nova tampa gigante colocada na segunda-feira pode entrar em funcionamento.

fonte: Jornal de Noticias

15/07/2010

Retirado de “Só Risomail”

MÚSICAS PARA RECORDAR

12/07/2010

Waka Waka

11/07/2010

Retirado de “Só Risomail”

DIÁLOGOS NO INFERNO ENTRE O CONTRIBUINTE E O ESTADO

08/07/2010
Contribuinte – Gostava de comprar um carro.

Estado – Muito bem. Faça o favor de escolher.

Contribuinte – Já escolhi tenho que pagar alguma coisa?

Estado – Sim. De acordo com o valor do carro (IVA)

Contribuinte – Ah. Só isso.

Estado – e uma “coisinha” para o por a circular (selo)

Contribuinte – Ah!

Estado – e mais uma coisinha na gasolina necessária para que o carro efectivamente circule (ISP)

Contribuinte – mas sem gasolina eu não circulo.

Estado – Eu sei.

Contribuinte – mas eu já pago para circular.

Estado – claro.

Contribuinte – então vai cobrar-me pelo valor da gasolina?

Estado – também. mas isso é o IVA. o ISP é outra coisa diferente.

Contribuinte – diferente?

Estado – muito. o ISP é porque a gasolina existe.

Contribuinte – porque existe?

Estado – há muitos milhões de anos os dinossauros e o carvão fizeram petroleo. e você paga.

Contribuinte – só isso?

Estado – Só. Mas não julgue que pode deixar o carro assim como quer.

Contribuinte – como assim?

Estado – Tem que pagar para o estacionar.

Contribuinte – para o estacionar?

Estado – Exacto.

Contribuinte – Portanto pago para andar e pago para estar parado?

Estado – Não. Se quiser mesmo andar com o carro precisa de pagar seguro.

Contribuinte – Então pago para circular, pago para conseguir circular e pago por estar parado.

Estado – Sim. Nós não estamos aqui para enganar ninguém. O carro é novo?

Contribuinte – Novo?

Estado – é que se não for novo tem que pagar para vermos se ele está em condições de andar por aí.

Contribuinte – Pago para você ver se pode cobrar?

Estado – Claro. Acha que isso é de borla? Só há mais uma coisinha…

Contribuinte – Mais uma coisinha?

Estado – Para circular em auto-estradas

Contribuinte – mas eu já pago imposto de circulação.

Estado – mas esta é uma circulação diferente.

Contribuinte – Diferente?

Estado – Sim. Muito diferente. É só para quem quiser.

Contribuinte – Só mais isso?

Estado – Sim. Só mais isso.

Contribuinte – E acabou?

Estado – Sim. Depois de pagar os 25 euros acabou.

Contribuinte – Quais 25 euros?

Estado – Os 25 euros que custa pagar para andar nas auto-estradas.

Contribuinte – Mas não disse que as auto-estradas eram só para quem quisesse?

Estado – Sim. Mas todos pagam os 25 euros.

Contribuinte – Quais 25 euros?

Estado – Os 25 euros é quanto custa.

Contribuinte – custa o quê?

Estado – Pagar.

Contribuinte – custa pagar?

Estado – sim. Pagar custa 25 euros.

Contribuinte – Pagar custa 25 euros?

Estado – Sim. Paga 25 euros para pagar.

Contribuinte – Mas eu não vou circular nas auto-estradas.

Estado – Imagine que um dia quer…tem que pagar

Contribuinte – tenho que pagar para pagar porque um dia posso querer?

Estado – Exactamente. Você paga para pagar o que um dia pode querer.

Contribuinte – E se eu não quiser?

Estado – Paga multa.

Fonte: desconhecida. Recebi este interessante diálogo por e.mail e não resisti em colocá-lo no blog.

07/07/2010

Retirado de “Só Risomail”

PORTAGENS NA VIA DO INFANTE NÃO!

06/07/2010

Mediante a vontade de algumas pessoas em querer portajar a Via do Infante, ficam aqui registados alguns dos principais argumentos para dizer-se não a esta imposição.

1- A Via do Infante não pode ser considerada uma estrada de modelo de ”financiamento Scut”, pois tem uma natureza e uma génese diferente, e a esmagadora maioria do seu traçado foi construída muito antes da invenção desta fórmula, da autoria do Ministro das Obras Públicas de então, eng. João Cravinho, num governo presidido pelo eng. António Guterres. Tarda em ouvir-se este “mea culpa” por um dos erros políticos mais caros da história do nosso país;

2- A Via do Infante não reúne os requisitos técnicos para poder ser considerada uma auto-estrada, quer ao nível do separador central, quer da largura das faixas laterais, quer do pavimento perigoso em vários troços (situações de aquaplanning) quer por várias situações de inclinação contrária;

3- Esta estrada já foi baptizada cinco vezes ao longo da sua vida. De um dia para o outro, decisões administrativas rebaptizaram aquilo que começou por ser a Via Longitudinal do Algarve, depois passou a Via do Infante, posteriormente foi Itininerário Principal nº 1 (IP1), num passe de mágica passou a Autoestrada nº 22  (A22) e agora transformou-se em SCUT. Mas a estrada foi sempre a mesma!…

4- A EN 125 não é, nem será, uma alternativa à Via do Infante. A Via do Infante é que foi construída como uma alternativa à EN 125. Foi esta que aliviou o trânsito de uma via claramente urbana, como é a EN 125, hoje ladeada por milhares de estabelecimentos comerciais, com todas as consequências que isso implica;

5- As obras de requalificação da EN 125 (redenominada de Algarve Litoral), que nem sequer arrancaram, não terão como efeito produzir uma alternativa à Via do Infante em termos de fluidez de tráfico. Está-se a falar de construir 84 rotundas, de reduzir a largura das faixas de rodagem existentes, de construir passeios e ciclovias, de obras de embelezamento, etc;

6- A Via do Infante é a única estrada longitudinal do Algarve, de características interurbanas, que liga uma ponta à outra da região. Forçar, por força do agravamento dos custos da circulação de pessoas e mercadorias, à utilização da “Rua 125”, provocará um congestionamento rodoviário, e significará um recuo de 25 anos no sistema de comunicações da região;

7- Ao optar por absorver os fundos comunitários e orçamentais na construção da Via do Infante, no início da década de noventa, o Algarve viu-se na altura impedido de fazer outros investimentos públicos, mas a obra ficou feita, e paga. Querer, quase duas décadas depois, introduzir portagens numa via desta natureza, é penalizar duplamente a região, os seus habitantes e, por via dos seus visitantes, as suas actividades económicas também;

8- O Algarve é uma região sui-generis: aqui, o princípio da equidade só se aplica para pagar. Quando se trata de receber, aplica-se ao Algarve o princípio da selectividade. Desde 2005 que não se faz no Algarve um único investimento público significativo, todos os grandes projectos estão congelados (do Hospital Central do Algarve, à renovação da rede ferroviária), e a Barragem de Odelouca foi construída com um empréstimo que os algarvios estão a pagar no preço da água que consomem, situação verdadeiramente inédita no País…

9- Impor portagens na Via do Infante tem um impacto muito negativo num sector económico vital para o país, como é o Turismo, no qual o Algarve é, de longe, a principal região geradora de receitas. As portagens significam uma perda de competitividade face à vizinha Andaluzia onde elas não existem. Na prática constituem mais um imposto que se abate sobre 5,5 milhões de pessoas que vêm ao Algarve e aqui circulam, e metade são estrangeiros. É o interesse nacional que está em causa, e esta questão não pode deixar de ser tida em conta;

10- Não se discute sequer modalidades de isenção nem de pagamento, porque entende que a Via do Infante não pode ser à força considerada uma estrada de “modelo SCUT”. É nessa rede, a que o Algarve não pertence, que se devem aplicar os princípios da universalidade, da equidade e da transparência de critérios. Não se pode é considerar igual, aquilo que é desigual.

INDECISÃO FEMININA

03/07/2010

Retirado de “Só Risomail”

ACESSO À PRAIA COM NOVAS REGRAS

02/07/2010

De acordo com uma noticia avançada pelo Jornal Correio da Manhã, um parque de estacionamento junto à pista norte do aeroporto, um comboio turístico para transporte de pessoas até à ponte e semáforos na estrada são as novas regras estabelecidas pela Câmara Municipal de Faro para acesso à praia. O sistema deverá entrar em funcionamento este fim-de-semana ou, o mais tardar, no início da próxima semana.

O objectivo é eliminar o actual caos que se verifica no acesso à praia de Faro, principalmente no Verão”, explica Macário Correia, presidente da edilidade. O autarca adianta que o parque de estacionamento, com 300 lugares, terá utilização gratuita e sofrerá beneficiações no futuro.

“Fizemos, para já, uma construção provisória, em gravilha, sem cobertura, porque o Programa Polis prevê, para 2011, uma edificação definitiva com outras condições”, referiu o edil de Faro, que esclareceu as novas regras.

“Estamos a terminar a colocação de semáforos antes da curva que dá acesso à ponte. Lá ficarão, em permanência, um GNR e um funcionário camarário, que darão prioridade ao comboio turístico, explorado por uma empresa privada, que transportará as pessoas do parque à ponte a um preço simbólico, ainda por definir”, diz Macário.

O presidente da Câmara de Faro não exclui a hipótese de, no futuro, restringir, no Verão, o acesso à praia à generalidade dos automobilistas.

“Estamos a estudar outras medidas que possam ajudar a descongestionar o trânsito no local. Vamos constatar o efeito das regras agora estabelecidas e depois decidir sempre com a intenção de servir melhor a generalidade dos munícipes”, garante Macário Correia.

HOJE AUMENTA O IVA

01/07/2010
Retirado de “Só Risomail”