Archive for Julho, 2012

Educar para a gestão

24/07/2012

Num dos seus artigos no semanário “Expresso”, um dos gestores mais brilhantes de Portugal, António Carrapatoso, defendia a introdução obrigatória de aulas de gestão no ensino. Dizia ele que, através do recurso ao método do “caso” e pela transmissão de alguns princípios elementares de gestão, os estudantes estariam a adquirir competências na área da gestão que lhes seriam muito úteis para o futuro.

O problema desta sugestão é que ela  lançaria à escola e aos professores mais um desafio e mais um encargo a somar a todos os outros. Educar para os media, educar para o desporto, educação sexual, educar para a arte, educar para a defesa do ambiente, etc, etc. No entanto, a meu ver, uma boa integração e organização curricular permitiram perfeitamente ultrapassar este problema.

Gerir a economia pessoal e doméstica, gerir a sua carreira, gerir o seu tempo, gerir a sua empresa, gerir as suas relações humanas, etc.etc. tudo isto implica saber gerir e saber gerir bem está inevitavelmente associado às virtudes da prudência e do elementar bom senso.

Saber gerir o risco, não arriscando demasiado sem uma garantia de reserva, no caso da aposta sair gorada; saber gerir as poupanças; saber gerir os investimentos, apostando nos estudos e avaliação dos mercados potenciais; saber gerir os recursos humanos e materiais, aligeirando os custos para poder oferecer um produto mais atractivo e competitivo; não estar demasiado depentende de um determinado cliente ou de um determinado nicho de mercado; ter planos alternativos de redução de custos ou de apostas em outras áreas de investimento alternativas potencialmente mais promissoras; saber adaptar-se às constantes e permanentes alterações e necessidades do mercado, mas também saber escolher o local das férias, tendo em conta os encargos mensais de todo o ano, saber escolher a escola dos filhos e a forma destes ocuparem os tempos livres; saber gerir a relação com o parceiro, exigindo de umas vezes e cedendo em outras etc.etc.etc.

Não deixa de ser interessante que o próprio Jesus Cristo em muitas das suas parábolas evangélicas se refira a actos e princípios de gestão micro-economicos: a forma como as virgens prudentes e imprudentes geriam o óleo das lamparinas do casamento, a forma como os trabalhadores geriam as moedas que o seu patrão lhes deu antes de partir de viagem: a forma como o pastor gere a perda de uma ovelha, a forma como o latifundiário gere a indisciplina dos seus trabalhadores agrícolas, etc.etc.

Se olharmos para a génese de muitas falências verificamos que muitas são causadas por erros de gestão, por apostas mal medidas, por iniciativas pouco prudentes, precipitadas e adoptadas com excesso de confiança. Vemos também a menor sensibilidade que muitos gestores têm em relação ao cumprimento das suas obrigações fiscais e perante a segurança social, o que, mais tarde, lhes traz inúmeros dissabores em mais um sinal de imprudência.

Há que começar a explicar às crianças e jovens o que é gerir e como gerir e gerir bem. Como se deve, com um capital inicial, apostar, desde logo, na contenção de despesas, pagando 1º o que é de lei pagar (IVAs e Segurança Social), depois agir de forma a salvaguardar os postos de trabalho e, em simultâneo, motivar a força laboral da empresa; pensar como melhorar cada vez mais a oferta, tornando-a mais atractiva, ensiná-los a poupar e a não desperdiçar recursos de forma inútil; ensiná-los a tentar acertar nas apostas que fazem e a saber levantar-se quando alguma coisa corre mal.

Talvez a reconstrução do país, comece mesmo por aí.

Anúncios

INCÊNDIOS NA SERRA DO CALDEIRÃO

20/07/2012

A 25 de Agosto de 2004 escrevi o seguinte texto:

Oito anos depois, tenho a sensação que tudo permaneceu igual…

Após o desastre ambiental, económico e social que a vaga de incêndios florestais provocou em Portugal em 2003, eis que o mesmo cenário se repete este ano de forma ainda mais gravosa, pelo menos no sul do nosso país.

Das medidas apontadas no “Livro Branco de Incêndios Florestais” encomendado pelo Governo, praticamente nenhuma foi aplicada o que revela que pouco ou nada se aprendeu com a calamidade do Verão passado. Ainda mais grave se torna, quando desde o inicio do corrente ano, foi implementado um imposto/ecotaxa de meio cêntimo por litro de combustível de modo a serem disponibilizadas verbas para o combate a situações deste género.

De facto o investimento no combate aos fogos aumentou ligeiramente, mas os resultados práticos deste investimento não se estão a ver.

Ironicamente, até foi uma destas medidas que contribuiu para o cenário desolador que se assiste agora na região algarvia, através de uma Carta de
Risco de Incêndios onde o Algarve não estava englobado nas zonas de maior risco.

Em virtude dessa decisão, o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil(SNBPC), que organiza e distribui os meios aéreos e determina o nível de
intervenção dos reforços, só já tarde, quando a situação se encontrava totalmente descontrolada, accionou os meios adequados ao combate dos fogos
algarvios.

Como é possível, que os técnicos do Instituto Superior de Agronomia, que elaboraram a Carta de Risco de Incêndios, tenham colocado praticamente todo o
Algarve numa zona de “Baixo Risco”?

Como é possível que o Algarve seja uma zona de Baixo Risco de Incêndios, quando esta região é uma das zonas mais quentes do País e simultaneamente com uma taxa de humidade baixa, amplificando deste modo o risco de incêndio?

Como é possível considerar-se baixo risco de incêndio quando as poucas linhas de água existentes nesta região no Verão praticamente não existem,contribuindo para a secagem da vegetação e para a pouca humidade nos solos?

Porque motivo não levaram em consideração o facto de a Serra Algarvia apresentar um conjunto de solos bastante pobre e com elevado risco de erosão e que por isso é fundamental preservar a todo o custo a cobertura vegetal existente para evitar o agravamento da situação? Porquê que não levaram em consideração que na Serra Algarvia a cultura do Medronho é bastante
significativa e que esta cultura contem uma elevada carga combustível?

Se estes factores tivessem sido devidamente ponderados, estou convicto que, com
toda a certeza, toda a Serra Algarvia seria considerada uma zona de Alto Risco de Incêndios, como afinal de contas se veio a verificar pelo pior modo.

Agora andamos a discutir subsidios e esmolas europeias!!!

A melhor forma de combater os Incêndios Florestais, passa obrigatoriamente pela prevenção. Para que isso aconteça é necessário aumentar o número de Guardas Florestais, aumentar o número de Torres de Vigia, implementar sistemas de vigia via satélite, exigir, mas também facilitar e fornecer os meios, para
que os proprietários limpem os seus terrenos e, por fim, combater a desertificação humana do interior do nosso país.

Será ainda necessário adquirir mais e melhores equipamentos de combate aos incêndios, sobretudo para as corporações de bombeiros do interior e investir de forma efectiva na formação dos Bombeiros, que apesar da toda a sua boa vontade e forte empenho na luta contra os incêndios florestais continuam a denotar um deficit de conhecimento e de formação nesta área.

Outro ponto importante, passa por rever todo o sistema de coordenação e chefia do combate aos fogos visto que não são raras as vezes que se constata no terreno falhas clamorosas de comunicação entre as várias equipas de intervenção.

Só assim se poderá fazer frente a um problema que provoca anualmente inúmeros estragos e prejuízos.

Entretanto, para já, há que promover uma reflorestação, que se espera devidamente planeada e ordenada com espécies autóctones, respeitando deste modo os valores ambientais e económicos das áreas afectadas.