Archive for the ‘Ambiente e Ordenamento do Território’ Category

Associação Cristã Algarvia de Defesa do Ambiente

16/11/2013

“FARO 1540” DEBATE A RIA FORMOSA

19/03/2013

Cof_RiaFormosa

A “FARO 1540”, no dia 23 (Sábado) às 21h30 vai promover uma conferência/debate, subordinada ao tema “Ria Formosa e a sua relação com Faro”.

Espera-se abordar nesta conferência/debate questões como a sua riqueza ambiental e paisagística e as suas necessidades de preservação, o potencial económico e turístico da laguna, a sua interacção com a cidade e a gestão sustentável e harmoniosa da relação cidade/ria.

Local: Rua Pedro Nunes, n.º 14 – Faro
A entrada é livre!

Contamos com a vossa presença e com a vossa preciosa ajuda na divulgação desta conferência.

CONFERÊNCIA/DEBATE “FARO: CIDADE COSMOPOLITA”

28/01/2013

A “FARO 1540” vai promover no dia 1 de Fevereiro (6ª feira) mais uma iniciativa de Cidadania Participativa desta feita com a Conferência/Debate subordinada ao tema “Faro: Cidade Cosmopolita” que terá como convidado especial o jornalista e dinamizador social, Viegas Gomes.

Decorrerá nas instalações da “FARO 1540” pelas 21h30, onde todos estão convidados a participar e a entrada é livre!

Contamos com a vossa presença neste interessante debate.

FaroCidCosmop

REABILITAÇÃO URBANA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

27/09/2012

A “FARO 1540” vai promover no dia 19 de Outubro (6ª feira) a 3ª edição do seu Seminário de Reabilitação Urbana e Desenvolvimento Sustentável, que vai decorrer no auditório do Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve (Campus da Penha).

Esta ONG, através das comunicações que serão apresentadas por um conjunto de especialistas, procura fomentar um debate profícuo e objectivo, bem como informar os participantes de forma esclarecedora sobre as tendências e as matérias que giram em torno das temáticas abordadas no decorrer do Seminário e que este ano vão incidir essencialmente nos conceitos de Património e Identidade, Marketing e Economia Urbana, Revitalização e Regeneração Urbana, Coberturas Ajardinadas e Jardins Verticais e Edifícios “verdes” de alta performance.

Para a “Faro 1540”, a reabilitação de edifícios degradados e a requalificação de ruas, passeios e praças é visto como uma ferramenta fundamental para a coesão da cidade, aumentando os seus níveis de qualidade de vida, atractividade e competitividade económica contribuindo de modo efectivo para a sua sustentabilidade e reforço da sua identidade e história. No entanto, apesar de ser amplamente referenciada e debatida, a reabilitação urbana, não tem tido a aplicabilidade e a dimensão desejada, quer por falta de políticas incentivadoras, quer por falta de sensibilização e excesso de burocracia e entraves vários, tendências que importam serem alteradas, em prol da desejada sustentabilidade económica e ambiental das nossas cidades.

Ainda sobre esta matéria, é de referir que a crise económica e financeira que agora estamos a atravessar é fruto de um desenvolvimento pouco sadio e baseado num conceito de capitalismo selvagem e sem ética, visando a maximização do lucro fácil em detrimento da qualidade de vida dos cidadãos e pelo respeito com o ambiente e seus recursos naturais. Para se ter uma pequena noção do que se passa, é de frisar que apenas 2% dos fluxos mundiais de capitais está relacionado com a economia real. Ora isto é incomportável e o resultado está à vista! É urgente surgir uma nova economia e uma nova mentalidade que respeite o cidadão, que vise o seu bem-estar e que crie simbioses com o ambiente. Só assim será possível salvaguardar os recursos naturais e salvaguardar com qualidade e respeito a existência do ser humano e as gerações vindouras, sem nunca esquecer que apesar de este ser um problema global, as respostas mais eficazes são as que ocorrem à escala local.

As inscrições já se encontram abertas e os interessados poderão inscrever-se e consultar o programa do seminário no site desta associação em: www.faro1540.com

Imagem

CAMPANHA: UMA ÁRVORE POR UM “LIKE”

06/11/2011

A “FARO 1540” está a lançar uma campanha ecológica. Por cada “like” na sua página aqui no Facebook vão plantar uma árvore autóctone em terrenos de recuperação florestal.

Colabora clicando no link em baixo e ajudando a divulgar esta iniciativa.

Obrigado!

http://www.facebook.com/pages/Faro-1540/131414876899882

SUSTENTABILIDADE E REABILITAÇAO URBANA DEBATIDOS EM FARO

03/10/2011

O 2º Seminário de Reabilitação Urbana e Desenvolvimento Sustentável, promovido pela FARO 1540, vai decorrer na 6ª feira (dia 7 de Outubro) no Campus da Penha – Universidade do Algarve.

Mais informações e inscrições em: http://www.faro1540.org

PRAGA DE MOSQUITOS

14/09/2011

Tal como todos os anos, o mês de Setembro é marcado pelo aumento acentuado de mosquitos, mas este ano, talvez por ser um ano chuvosos e por isso propicio à existência de águas paradas, a presença destes insectos na capital algarvia está a ser sobejamente superior.

É um fenómeno que também tem estado a afectar outros concelhos algarvios e esperemos que os organismos responsáveis tomem medidas concretas dentro de dias, de forma a combater e minimizar esta praga.

TERTÚLIA “RIA FORMOSA”

15/05/2011

Dia 17 de Maio, 3ª feira, a FARO 1540 vai levar a efeito na Sociedade Recreativa Artística Farense (Rua do Montepio, 10 – Faro), às 22h30, no âmbito do Festival da Natureza que está a decorrer por todo o Algarve, uma tertúlia subordinada ao tema “Impacte dos Poluentes na Fauna e Economia da Ria Formosa“, que terá como orador principal o Biólogo Marinho, Tiago Gomes.

CIDADES PELA RETOMA – CONFERÊNCIA “ECONOMIA URBANA”

02/05/2011

A FARO 1540 – Associação de Defesa e Promoção do Património Ambiental e Cultural de Faro, vai promover no próximo dia 6 de Maio (6ª feira), por volta das 21h30, no Salão Nobre da Sociedade Recreativa Artística Farense mais uma edição das conferências “Cidades pela Retoma”, desta feita dedicado ao tema da Economia Urbana. A entrada é livre!

De entre diversos temas espera-se abordar com especial enfoque temas como o fenómeno urbano, a gestão territorial, o processo de urbanização nas economias ocidentais, o crescimento e o declínio de cidades e a situação actual da cidade e do concelho farense.

Paulo Bernardo, empresário e presidente da delegação Algarve da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) e Renato Pereira, economista e docente na Universidade do Algarve são os oradores convidados confirmados.

Recorde-se que esta iniciativa inserida no âmbito do Movimento Cívico “Cidades pela Retoma”, pretende desenvolver em Faro um fórum de debate que deverá mobilizar os cidadãos a participar num exercício de reflexão colectiva sobre o papel das cidades na actual fase de desenvolvimento do país, que vise identificar e avaliar os seus recursos com potencial para o desenvolvimento económico e social e ajudar a definir uma ‘agenda local para a retoma’.

O Movimento Cidades pela Retoma, continua a captar cada vez mais adeptos contando já com milhares de adesões, incluindo mais de 60 plataformas cívicas nacionais, cerca de 250 blogues de 15 países diferentes e 14 parceiros institucionais.

DEMOLIÇÕES NA PRAIA DE FARO SEMPRE VÃO AVANÇAR

22/03/2011

De acordo com uma noticia avançada pelo jornal Público, o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, admitiu hoje que as demolições na Praia de Faro são um processo “incontornável” mesmo não havendo verbas disponíveis de imediato para avançar com a remoção das construções em zona de risco.

Oitenta por cento das construções situadas na área concessionada à autarquia deverão ser demolidas, de acordo com o projecto de Plano de Pormenor (PP) da Praia de Faro, recentemente concluído.

Segundo a mesma fonte, às 282 edificações agora sinalizadas para serem removidas da faixa central da praia juntam-se ainda as 249 dos extremos poente e nascente da praia, cuja demolição já estava prevista, o que significa que só restarão 85 das actuais construções.

Confrontado sobre a existência de verbas disponíveis para avançar com a demolição de mais de 500 construções, Humberto Rosa afirmou que existe a “sensação” de que o processo é “incontornável” mesmo sem dinheiro no imediato. “Ainda que não haja dinheiro de repente, estes planos também não são para ser feitos no imediato”, afirmou o secretário de Estado do Ambiente, sublinhando que o processo “acabará por compensar a prazo”.

“O que seria uma Praia de Faro varrida constantemente no Inverno por temporais com um cordão dunar a rebentar”, questionou o governante, alertando para o impacto económico que as intempéries também têm na Ria Formosa. “A motivação do Ministério do Ambiente é fazer o devidamente planeamento baseado em estudos científicos que apontam o melhor caminho e disso não nos podemos desviar”, concluiu.

PRAIA DE FARO: FRENTE DE MAR VAI SER DEMOLIDA

09/03/2011

De acordo com o jornal Correio da Manhã, o Plano de pormenor prevê 434 demolições na Praia de Faro.

Segundo a mesma fonte, a divulgação do Plano de Pormenor da zona desafectada da Praia de Faro deixou perplexos os residentes. O Plano prevê a demolição de mais 185 habitações na zona desafectada, algumas legais, a juntar às já anunciadas 249, nas zonas nascente e poente. Deverá vir abaixo toda a frente do lado do mar, os restaurantes Paquete, Camané, Zé Maria, Roque e Forte e a colónia de férias, além de dezenas de casas.

ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES DISCUTIDOS EM FARO

11/02/2011

A FARO 1540 – Associação de Defesa e Promoção do Património Ambiental e Cultural de Faro, vai promover no próximo dia 18 de Fevereiro (6ª feira), por volta das 21h30, no Salão Nobre da Sociedade Recreativa Artística Farense mais uma edição das conferências “Cidades pela Retoma”, desta feita dedicado ao tema das Acessibilidades e Transportes. A entrada é livre!

Teresa Correia, Vereadora da Câmara Municipal de Faro e Ilídio Mestre,
Director do Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve são os oradores convidados, a que se seguirá um período de debate onde se espera abordar temas relacionados com os transportes públicos, trânsito, estacionamento e ciclovias em Faro.

A nível regional o tema das portagens na Via do Infante e as implicações económicas e de circulação rodoviária que daí resultarão para a região serão também discutidas.

Recorde-se que esta iniciativa inserida no âmbito do Movimento Cívico
“Cidades pela Retoma” pretende desenvolver em Faro um fórum de debate que deverá mobilizar os cidadãos a participar num exercício de reflexão colectiva sobre o papel das cidades na actual fase de desenvolvimento do país, que vise identificar e avaliar os seus recursos com potencial para o desenvolvimento económico e social e ajudar a definir uma ‘agenda local para a retoma’.

O paraíso à porta de Faro

28/01/2011

 

(via Faro para a coisa)

Eusébio na Algar

23/01/2011

Correm rumores que o Engº António Paulo Eusébio, presidente da Câmara Municipal de S.Brás de Alportel, irá, no próximo mês de Março, abandonar o cargo para o qual foi eleito nas últimas eleições autárquicas e tomar posse como alto quadro administrativo da ALGAR.

Fico estupefacto se tal suceder porque quando alguém, há pouco mais de 1 ano, assume um projecto, um mandato com a importância que é a presidência de uma autarquia, é suposto cumpri-lo e levá-lo até ao fim.

Caso contrário (e ainda acredito que tal notícia seja apenas um rumor que não se venha a confirmar) estaremos perante o defraudar das expectativas dos sao brazenses que o elegeram.

PLANTAR PORTUGAL – FARO

25/11/2010

Decorreu na tarde do último Domingo, a 1ª Acção de Reflorestação promovida em Faro, no âmbito do Movimento Plantar Portugal.  Esta acção consistiu na plantação de quase 350 árvores autóctones (azinheira, sobreiro e pinheiro-manso) na Mata do Pontal – Gambelas, na área que foi devastada pelo fogo em 2004.

A equipa composta por cerca de 20 pessoas, trabalhou arduamente e sempre com boa disposição e em menos de duas horas plantou as jovens árvores.

Para o próximo fim-de-semana há mais 450 árvores para plantar.

Ficam aqui registadas algumas das melhores imagens desta acção.

CONCURSO DE FOTOGRAFIA

18/11/2010

SEMANA DA REFLORESTAÇÃO NACIONAL

19/10/2010

A Semana da Reflorestação Nacional, a decorrer entre 23 e 28 de Novembro, promovida pelo Movimento Plantar Portugal, não vai passar apenas pela realização de grandes acções de reflorestação. Vai também promover inúmeras acções de plantação de árvores em Escolas, Parques, Jardins, Freguesias, com muitas actividades a decorrer em simultâneo.

Até ao momento já foram constituídas várias Equipas Concelhias, mas espera-se que nos próximos dias este número venha a aumentar significativamente. Até ao momento já estão constituídas equipas em mais de 50 concelhos, nomeadamente: Águeda, Guarda, Alcanena, Lajes do Pico, Ansião, Manteigas, Arcos de Valdevez, Mealhada, Arganil, Odivelas, Benavente, Paços de Ferreira, Bragança, Paredes de Coura, Caminha, Proença-a-Nova, Carregal do Sal, Santa Cruz da Graciosa, Celorico da Beira, São Brás de Alportel, Coruche, São Roque do Pico, Faro, Seia, Ferreira do Alentejo, Setúbal, Ferreira do Zêzere, Silves, Figueira de Castelo Rodrigo, Vila Nova de Famalicão, Figueiró dos Vinhos, Pinhel, Sertã, Penacova, Castanheira de Pera, Oliveira do Bairro, Tavira, S. João da Pesqueira, Reguengos de Monsaraz, Ourém, Belmonte, Batalha, Macedo de Cavaleiros, Ponte da Barca, Tarouca, Boticas, Torres Vedras, Olhão, Viana do Castelo, Castelo de Paiva e Vila de Rei.

O Movimento Plantar Portugal (MPP) é um movimento de cidadãos sem fins lucrativos que tem como objectivo contribuir para a conservação da natureza, biodiversidade e uso racional dos recursos naturais, para o benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Um movimento que procura dar resposta ao grande desafio de lançar sementes para um futuro mais sustentável para todos.

Espera-se com o contributo deste projecto, através do forte apelo ao espírito de voluntariado e cidadania activa, plantar consciências e motivar à protecção da natureza. O significado deste projecto de longo prazo não passa apenas pelo gesto da plantação de árvores, favoráveis à manutenção do equilíbrio natural, mas também a motivação à alteração de comportamentos e atitudes que tendem a agravar a tendência repressiva aos bens essenciais à vida humana e do planeta.

O Movimento Plantar Portugal assume-se portanto como um projecto que pretende dar um enorme contributo no combate urgente que há a travar contra o aquecimento global e as alterações climáticas, sob pena de um dia chegarmos a um ponto de não retorno de consequências imprevisíveis para nós e para os nossos descendentes.

Acredita-se que esta crescente onda de consciencialização ambiental seja o início de uma revolução nas mentalidades, um marco nunca antes alcançado em Portugal e que revela uma maturidade e sentido de responsabilidade que a todos nos apraz registar e pela qual devemos estar todos orgulhosos.

A Coordenação deste movimento faz o apelo para que todos os cidadãos interessados se juntem a esta causa e procedam à criação ou à sua inscrição nas equipas concelhias no sitio electrónico http://plantarportugal.org, e solicita que convidem Escolas, Associações, Clubes, Grupos de Escuteiros, Freguesias e Autarquias a fazer o mesmo. Vamos todos Plantar Portugal!

NOVA BARRA PODE SURGIR NA PRAIA DE FARO

12/10/2010

De acordo com uma noticia avançada pelo Jornal de Noticias, o cordão dunar pode romper na zona do parque de estacionamento à entrada da ilha de Faro. Só ainda não aconteceu graças às reposições de areia que ali têm sido feitas para travar o curso normal da Natureza.

A convicção é de um especialista em dinâmica e gestão costeira da Universidade do Algarve para quem a destruição da ilha “é um perigo iminente”. Segundo Óscar Ferreira, toda aquela zona “é frágil e de risco” agravado pelas construções que ocupam quase toda a área útil. “Todos os Invernos o cenário é o mesmo. Basta haver uma maré-viva com uma tempestade associada para que a água galgue as margens e as casas nas extremidades da ilha corram risco de ruir”, acrescenta.

Foi o que aconteceu no último fim-de-semana. De acordo com o mesmo jornal, ondas de cinco metros e fortes rajadas de vento arrastaram água e areia até à estrada e deixaram a ilha intransitável. Os moradores passaram noites ao relento com medo que as casas caíssem e apelaram ao prometido realojamento.

Anteontem, face ao que chamou de “alarme social gerado”, o presidente da Câmara Municipal de Faro, Macário Correia, convocou uma conferência de imprensa improvisada na ilha para garantir que “haverá alojamento disponível, em caso de necessidade”, mas a solução definitiva ainda não tem data marcada.

A acompanhá-lo, a responsável do Polis, Valentina Calixto, colocou o dedo na ferida ao dizer que “pode acontecer o mesmo em ilha que na ilha da Fuzeta” onde todas as casas foram destruídas pelo rebentamento do cordão dunar.

REABILITAÇÃO URBANA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – SEMINÁRIO

04/10/2010

Recorda-se que na próxima 6ª feira vai decorrer em Faro, no Auditório do IPJ, o seminário “Reabilitação Urbana e Desenvolvimento Sustentável”.

O período de inscrições ainda se encontra aberto e as inscrições estão limitadas ao número de lugares do auditório do IPJ pelo que os interessados deverão proceder à sua inscrição com a maior brevidade possível.

Mais informações na página electrónica: www.faro1540.org

REABILITAÇÃO URBANA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – SEMINÁRIO EM FARO

14/09/2010

A Requalificação e a Reabilitação Urbana têm surgido nos últimos anos como uma ferramenta fundamental para devolver a determinadas áreas das cidades a vida e a dinâmica de outros tempos.

De facto, o efeito Donut, ou se preferirmos o esvaziamento dos centros urbanos, está neste momento a tornar-se uma realidade em diversas cidades e a assumir em muitos locais contornos preocupantes onde se assiste à degradação progressiva das suas estruturas urbanas, dos seus edifícios e dos seus espaços exteriores.

É insustentável continuar a viver em cidades completamente degradadas, sem vida e será uma política suicida continuar a “empurrar” os cidadãos para fora dos centros urbanos. Não promover políticas que invertam esta situação será conduzir a cidade à decadência e à morte pelo seu interior.

Para debater esta realidade, a FARO 1540 vai organizar no dia 8 de Outubro de 2010 (6ª feira), em Faro, um seminário subordinado ao tema “Reabilitação Urbana e Desenvolvimento Sustentável” onde se espera para além de formar e informar os participantes sobre esta temática promover um debate alargado e uma troca de experiências com vista a encontrar e desenvolver novas soluções.

Inscrições:

Para se inscreverem os participantes deverão contactar por e.mail a FARO 1540: <www.faro1540.org>

RIA FORMOSA É UMA DAS 7 MARAVILHAS NATURAIS DE PORTUGAL

12/09/2010

Decorreu ontem o anúncio das 7 Maravilhas Naturais de Portugal e os vencedores foram:

– Floresta Laurissilva
– Parque Natural Peneda-Gerês
– Grutas de Mira de Aire
– Lagoa das 7 cidades
– Portinho da Arrábida
– Ria Formosa
– Paisagem Vulcânica da Ilha do Pico

A Ria Formosa foi vencedora na categoria “Zonas Marinhas”.

INVESTIR PARA PROTEGER A NATUREZA É ALTAMENTE RENTÁVEL

13/08/2010

Investir milhões para proteger a diversidade da vida animal e vegetal permitirá, a longo prazo, um retorno do investimento cem vezes superior, estima um estudo do economista indiano Pavan Sukhdev.

Mais de mil milhões de pessoas dependem, directamente, dos recifes de coral, das florestas e dos mangais para a sua sobrevivência. E se os líderes políticos não tomarem, rapidamente, medidas radicais para travar a destruição destes recursos, tornar-se-ão inevitáveis conflitos, fomes e refugiados climáticos, alerta o estudo.

“Reconhecer e pôr um preço nos serviços prestados pela natureza à sociedade deve ser uma prioridade para os responsáveis políticos”, explicou Pavan Sukhdev, principal autor do estudo “A economia dos sistemas ecológicos e da biodiversidade”.

Investir cerca de 45 mil milhões de dólares (30 mil milhões de euros) por ano no desenvolvimento de áreas protegidas terrestres e marinhas permitirá garantir benefícios na ordem dos quatro a cinco mil milhões de dólares (2,6 e 3,3 mil milhões de euros) por ano, durante várias décadas, estima o economista.

“As soluções para as alterações climáticas encontram-se nos recursos naturais. Podemos utilizar a recuperação dos ecossistemas para a adaptação (às mudanças) e devemos utilizar os ecossistemas – as florestas, os oceanos – como principal ferramenta de redução” das emissões de gases com efeito de estufa, estimou.

O estudo, apoiado pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), foi lançado pela Comissão Europeia em 2007 e terá a sua versão final apresentada em Outubro de 2010. Numa primeira fase, apresentada em Maio de 2008, Pavan Sukhdev estimou que a erosão da biodiversidade representa um custo estimado entre 1350 e 3100 milhões de euros por ano.

POLIS: CASAS PARA DEMOLIR JÁ ESTÃO DEFINIDAS

10/08/2010

De acordo com o Jornal Correio da Manhã (CM), o processo de identificação das casas que vão abaixo nas duas ilhas ainda não está fechado mas a primeira avaliação está terminada, com a notificação dos moradores das casas consideradas como segundas habitações.

Na ilha de Faro, ao que o CM apurou, 165 casas foram consideradas segundas habitações, num total de 214 construções existentes nas zonas Nascente e Poente. Apenas 49 agregados familiares conseguiram provar que residem na ilha a tempo inteiro e não têm outra casa para viver. Na zona Nascente foram identificadas para demolição 55 construções Na área Poente 110. Quanto ao núcleo central, em área municipal, os moradores aguardam pela conclusão do Plano Pormenor que vai definir a área a requalificar ou a demolir.

A recém-criada Associação de Utentes da Ilha de Faro entende que o processo de levantamento das habitações decorreu “em total contradição” com a postura defendida pelo Polis nas reuniões com moradores e que os critérios usados são “difíceis de entender”.

Na ilha da Culatra, de acordo com a mesma fonte, num total de 377 construções existentes, 161 casas foram consideradas segundas habitações. Os moradores já foram informados que os elementos entregues não são suficientes para provar que residem na ilha a tempo inteiro e têm agora dez dias para contrariar a decisão do Polis.

ACÇÃO DO POLIS “É AMADORA”

Os membros da recém-criada Associação dos Utentes da Ilha de Faro (AUIF) dizem estar a ser “ignorados” pela Sociedade Polis Ria Formosa. A colectividade, que diz representar moradores e todos os utentes da ilha num total de perto de 400 associados, acusa a administração do Polis de estar a violar o principio da igualdade ao não ser convocada para as reuniões. “Somos uma colectividade constituída em Maio e queremos fazer parte da comissão de acompanhamento do Programa Polis mas estão a tentar ignorar-nos”, lamentou ao CM Alberto Cabeço, presidente da direcção da AUIF.

A associação começa desde logo por atacar a administração Polis, considerando que o seu “modus operandi da é baseado num almanaque de técnicas policiais executado por amadores”.

BP TRAVOU A FUGA DE PETRÓLEO

16/07/2010

A petrolífera britânica BP anunciou ontem, quinta-feira, que conteve a fuga do petróleo que é derramado há cerca de três meses no Golfo do México.

O sucesso da operação ocorre depois da petrolífera ter fechado todas as válvulas da nova tampa colocada nos tubos danificados.

“É bom ver que o crude já não vai mais para o Golfo do México”, afirmou o vice-presidente da BP, Kent Wells, alertando, no entanto, que se trata apenas do início de um “teste”.

A BP começou um teste crucial para avaliar a resistência das tubagens de crude que estiveram na origem da pior maré negra da história dos Estados Unidos, a 20 de Abril, na sequência da explosão de uma plataforma.

Esta operação pretende averiguar se as tubagens podem ser fixadas sem risco de novas fugas naquelas instalações, que estão a quatro quilómetros de profundidade.

Kent Wells acrescentou que a fuga de petróleo foi parada quando a última das três válvulas do novo dispositivo foi fechada pelas 18.25 horas (hora de Lisboa), assegurando que os técnicos do grupo vão ficar em alerta para monitorizar qualquer outra possível fuga.

O teste deve permitir determinar se a nova tampa gigante colocada na segunda-feira pode entrar em funcionamento.

fonte: Jornal de Noticias

DESASTRE PETROLÍFERO NO GOLFO DO MÉXICO. E SE FOSSE NO ALGARVE?

12/06/2010

Perante as noticias avançadas ao longo desta semana a relembrar a possibilidade e o interesse de construir plataformas petrolíferas ao largo da costa sul portuguesa, a associação “FARO 1540” emitiu um comunicado alertando para o facto de poder ocorrer no Algarve, um incidente similar ao desastre petrolífero no Golfe do México caso se decida favoravelmente pela sua exploração.

Recorde-se que passados quase dois meses sobre a explosão e afundamento de uma plataforma petrolífera da BP no Golfo do México e que vitimou 11 trabalhadores, o derrame de crude continua a ocorrer em proporções assustadoras, estando estimado de acordo com vários cientistas em mais de 6 milhões de litros diários o que representa mais de 310 milhões de litros libertados desde 20 de Abril até hoje.

Neste momento a mancha de crude já afectou mais de 250 km de costa dos EUA, ameaçando agora chegar ao Oceano Atlântico e a Cuba, tendo já um diâmetro de 640 km e uma extensão aproximada de 30.000 km2, o equivalente a praticamente 6 vezes a área de todo o território algarvio.

As consequências ambientais e económicas deste acidente são desastrosas, sendo já, um dos maiores desastres ambientais do mundo, sendo somente ultrapassado pelo acidente de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986 e pelo incidente de Bhopal, na Índia, em 1984.

Infelizmente ficou provado que nenhuma companhia petrolífera do mundo tem neste momento ao seu dispor a tecnologia, os meios e a preparação necessária para fazer face a problemas deste género como ficou patenteado pela inoperância e pelas diversas tentativas frustradas para por cobro à fuga de crude e gás.

Ora este incidente vem provar o enorme risco a que o Algarve vai ser submetido caso as explorações petrolíferas ao largo da nossa costa venham a concretizar-se, pois para além das terríveis consequências nos ecossistemas, os danos económicos sobretudo no sector das pescas e turismo seriam catastróficos e levariam anos a serem repostos, com graves e directas implicâncias na vida dos algarvios.

Mais importante que o ouro negro, (que até pelas contrapartidas negociadas entre as companhias exploradoras e o Estado português pouca importância económica teria), está o ouro turístico baseado sobretudo no sol, mar e areia, esse sim a grande alavanca do desenvolvimento económico do Algarve e que importa defender e preservar.