Posts Tagged ‘cidadania’

DOCUMENTÁRIO “QUEM SE IMPORTA” É EXIBIDO EM FARO

17/05/2013

A “FARO 1540” vai exibir no dia 24 de Maio (6ª feira), às 22h30, nas suas instalações localizadas na Rua Pedro Nunes, n.º 14 – Faro o filme/documentário da reputada realizadora brasileira Mara Mourão “Quem se importa”.

Este documentário foi no passado mês de Dezembro o vencedor do Festival de Cinema Documental em Miami – DocMiami e marcou presença em vários festivais mundiais destacando-se o Festival Internacional de Cinema de Washington, na 6ª Mostra de Cinema de Direitos Humanos na América do Sul e no Festival de Cinema de Heartland.

QUEM SE IMPORTA é uma longa-metragem com 95 minutos de duração, que mostra o trabalho de 18 empreendedores sociais, cujas ideias visionárias já transformaram milhões de vidas à escala global. Recomendado pela UNESCO, este documentário foi lançado em Portugal pela fundação EDP, que gentilmente cedeu os direitos de exibição à “FARO 1540“, acreditando que esta é uma oportunidade que pode marcar a diferença junto da comunidade farense no despertar de consciências e na mobilização para o exercício de uma cidadania mais activa.

QUEM SE IMPORTA é mais do que um filme, é um movimento que procura abrir um amplo debate sobre sustentabilidade, ética e cidadania, mostrando e reforçando a crença de que é possível acabar com os grandes problemas da humanidade.

Venham ver como! A entrada é livre.

Imagem_Quem_se_importa

Anúncios

ENTREVISTA NO JORNAL DE FARO COM BRUNO LAGE

06/04/2013

A entrevista integral com Bruno Lage no Jornal de Faro, em: http://www.jornaldefaro.com/?p=889

Proposta de roteiro “Conhecer o concelho de Faro” por parte do entrevistado em:  http://www.jornaldefaro.com/?p=898

“Faro tem de assumir de forma clara e efetiva o desígnio de fazer evoluir economicamente o concelho, qualificar e modernizar a cidade respeitando, contudo, a sua história e identidade. Para que isto se torne uma realidade, é necessário apostar em conceitos como o ambiente e a cultura, como a qualidade de vida e o bem-estar das populações, na formação e fixação de massa crítica e numa nova cultura urbana, rompendo definitivamente com o marasmo e com a inércia a que o município tem estado sujeito nas últimas décadas”.

DSC00126

A DEMOCRACIA SAI À RUA! – FARO

14/10/2011

Queremos uma Democracia participativa, onde as pessoas possam intervir activa e efectivamente nas decisões. Uma Democracia em que o exercício dos cargos públicos seja baseado na integridade e defesa do interesse e bem-estar comuns.

Queremos uma Democracia onde os mais ricos não sejam protegidos por regimes de excepção. Queremos um sistema fiscal progressivo e transparente, onde a riqueza seja justamente distribuída e a segurança social não seja descapitalizada; onde todas as pessoas contribuam de forma justa e imparcial e os direitos e deveres dos cidadãos estejam assegurados.

Queremos uma Democracia onde quem comete abuso de poder e crimes económicos e financeiros seja efectivamente responsabilizado por um sistema judicial independente, menos burocrático e sem dualidade de critérios. Uma Democracia onde políticas estruturantes não sejam adoptadas sem esclarecimento e participação activa das pessoas. Não tomamos a crise como inevitável. Exigimos saber de que forma chegámos a esta recessão, a quem devemos o quê e sob que condições.

As pessoas não são descartáveis, nem podem estar dependentes da especulação de mercados bolsistas e de interesses financeiros que as reduzem à condição de mercadorias. O princípio constitucional conquistado a 25 de Abril de 1974 e consagrado em todo o mundo democrático de que a economia se deve subordinar aos interesses gerais da sociedade é totalmente pervertido pela imposição de medidas, como as do programa da troika, que conduzem à perda de direitos laborais, ao desmantelamento da saúde, do ensino público e da cultura com argumentos economicistas.

A qualidade de uma Democracia mede-se pela forma como trata as pessoas que a integram.

Isto não tem que ser assim! Em Portugal e no Mundo, dia 15 de Outubro dizemos basta!

A Democracia sai à rua. E nós saímos com ela.