Posts Tagged ‘Curiosidades’

O orgasmo e a sua “voltagem”..

28/06/2012

Este artigo é especialmente dedicado aos engenheiros electrotécnicos mas, quem não o é, não perde nada em enriquecer a sua cultura geral. O orgasmo feminino é uma coisa da qual as mulheres percebem muito pouco e os homens ainda menos. Pelo facto de ser uma reacção endócrina, que se dá sem expelir nada, não se apresenta nenhuma prova evidente de que aconteceu, ou de que foi simulado. Diante deste mistério, investigações continuam, pesquisas são feitas, centenas de livros são escritos, tudo para tentar esclarecer este assunto.

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos na qual se mediu a descarga eléctrica emitida pela periquita no instante do orgasmo (fica aqui a duvida sobre como se realizou a medição). Os resultados mostram que, na hora H, a “pardaleca” dispara uma carga de 250.000 micro-volts, ou seja 250V. Ou seja, 5 “passarinhas” juntas, ligadas em série na hora do “ai meu Deus”, são suficientes para acender uma lâmpada e uma dúzia é capaz de provocar a ignição no motor de um automóvel com a bateria em baixo. Já há até mulheres a treinar para carregar a bateria do telemóvel (com o respectivo carregador): dizem que é só ter o orgasmo e, tchan… carregar.

Portanto, é preciso ter muito cuidado porque aquilo, afinal, não é um “brinquedo”: é uma torradeira eléctrica!!!…e se der curto-circuito na hora de “virar os olhos”?!… Além de vesgo, fica-se com a doença de Parkinson e com a “salsicha” assada. Preservativo agora é pouco: tem de mandar encamisar na Michelin. E, no momento da descarga, é recomendado usar sapatos de borracha, não os descalçar e não pisar o chão molhado.

É também aconselhável que, antes de se começar a molhar o biscoito, se pergunte à parceira se ela é de 110 ou de 220 volts, não se vá esturricar a “alheira”.

Por outro lado, outro estudo semelhante, indicia uma aparente perda de memória quando se atinge este estado.  Juntando estas dados científicos, podemos justificar a postura de alguns indivíduos/as que habitualmente são “esquecidos”. Possivelmente porque têm uma vida sexual francamente saudável.

Deixo o conselho, se necessitar de vitaminas para o cérebro, possivelmente o melhor é reduzir a dose de actividade  sexual e não se esqueça de não praticar sexo (orgásmico), antes de actividades que requeiram intensa actividade cerebral.

 “in ainanas”

AS LEIS MAIS MARADAS DO PLANETA

10/02/2009

No Líbano, os homens podem legalmente ter relações sexuais com animais, mas têm que ser fêmeas. Relações sexuais com machos é punível com a morte.

No Bahrain, um médico pode legalmente examinar a genitália feminina, mas para ele, é proibido olhar directamente para ela durante o exame. Ele pode apenas olhar através de um espelho…

Os muçulmanos não podem olhar os genitais de um cadáver. Isto também se aplica aos funcionários da funerária. Os órgãos sexuais do defunto devem estar sempre cobertos por um tijolo ou por um pedaço de madeira.

A penalidade para a masturbação na Indonésia é a decapitação.

Há homens em Guam cujo emprego em tempo integral é viajar pelo país e desflorar virgens, as quais pagam pelo privilégio de ter sexo pela primeira vez. Razão: pelas leis de Guam, é proibido a virgens casarem.

Em Hong Kong, uma mulher traída pode legalmente matar seu marido adúltero mas deve fazê-lo apenas com suas mãos. Em contrapartida, a amante do marido pode ser morta de qualquer outra maneira.

Em Cali, na Colômbia, uma mulher só pode ter relações com seu marido, e a primeira vez que isso ocorre, a mãe dela deve estar no quarto para testemunhar o acto.

HINO DO FARENSE FOI O PREFERIDO

30/01/2009

O site Maisfutebol nas últimas semanas promoveu uma sondagem junto dos seus leitores com o objectivo de indagar qual o hino preferido dos clubes desportivos portugueses.

Para além de votar, os adeptos tiveram a oportunidade de recordar ou ficar a conhecer as canções que são emblema de cada clube. E o hino mais votado nesta sondagem foi, o do nosso Farense, que recolheu 28,2% dos votos.

No segundo lugar ficou o hino do Benfica, com 17,8% e o terceiro lugar do pódio foi para o hino do Boavista.

OS DITADOS E A LÍNGUA PORTUGUESA!

19/01/2009
Popularmente diz-se: ‘Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho carpinteiro.’
O correcto: ‘Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro.’
‘Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão.”
Enquanto o correcto é: ‘Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão.’

‘Cor de burro quando foge.’
O correcto é: ‘Corro de burro quando foge!’

Outro, que todos dizem de uma maneira errada: ‘Quem tem boca vai a Roma.’
O correcto é: ‘Quem tem boca vaia Roma.’ (isso mesmo, do verbo vaiar)

‘Cuspido e escarrado’ – quando alguém quer dizer que é muito parecido com outra pessoa.
O correcto é: ‘Esculpido em Carrara.’ (tipo de mármore)

Mais um famoso…: ‘Quem não tem cão, caça com gato.’
O correcto é: ‘Quem não tem cão, caça como gato’… ou seja, sozinho!

Dizias correctamente algum desses ditados?

EU NÃO SABIA. E TU?

fonte: Prof. Pasquale Cipro Neto

PARTICULARIDADES DO NOSSO CÉREBRO

02/01/2009

É incrível mas é verdade.
Veja como consegue ler isto, com facilidade.

Sguedno um etsduo da Uinvesriadde de Cmabgirde, a oderm das lertas nas pavralas não tem ipmortnacia qsuae nnhuema.
O que ipmrtoa é que a prmiiera e a utlima lreta etsajem no lcoal cetro.
De creto, pdoe ler tduo sem gardnes dfiilcuddaes…
Itso é prouqe o crebéro lê as pavralas cmoo um tdoo e nao lreta por lerta.

ISTO É UMA VERGONHA! – CONCURSOS PÚBLICOS DE ADMISSÃO DE PESSOAL

30/12/2008

O meu amigo MRC administrador do blog “Os Homens, a mula e o pudim” alertou-me para a existência da seguinte situação a qual se transcreve:No país do faz-de-conta

Este país do faz-de-conta é cada vez mais uma anedota pegada. Ora atentem lá nesta coisa vinda no Diário da República nº 255 de 6 de Novembro 2008:

EXEMPLO 1
No aviso nº 11 466/2008 (2ª Série), declara-se aberto concurso no I.P.J. para um cargo de “ASSESSOR”, cujo vencimento anda à ronda de 3500 EUR (700 contos).
Na alínea 7:…” Método de selecção a utilizar é o concurso de prova pública que consiste na… Apreciação e discussão do currículo profissional do candidato.”

EXEMPLO 2
No Aviso simples da pág. 26922, a Câmara Municipal de Lisboa lança concurso externo de ingresso para COVEIRO, cujo vencimento anda à roda de 450EUR (90 contos) mensais. “…Método de selecção: Prova de conhecimentos globais de natureza teórica e escrita com a duração de 90 minutos.
A prova consiste no seguinte:
1. – Direitos e Deveres da Função Pública e Deontologia Profissional;
2. – Regime de Férias, Faltas e Licenças;
3. – Estatuto Disciplinar dos Funcionários Públicos.
Depois vem a prova de conhecimentos técnicos: Inumações, cremações,exumações, trasladações, ossários, jazigos, columbários ou cendrários.
Por fim, o homem tem que perceber de transporte e remoção de restos mortais.
Os cemitérios fornecem documentação para estudo.
Para rematar, se o candidato tiver:
– A escolaridade obrigatória somará + 16 valores;
– O 11º ano de escolaridade somará + 18 valores;
– O 12º ano de escolaridade somará + 20 valores.
No final haverá um exame médico para aferimento das capacidades físicas e psíquicas do candidato.
ISTO TUDO PARA UM VENCIMENTO DE 450 EUROS MENSAIS!

Enquanto o outro, com 3.500!!! Só precisa de uma cunha.

Vale a pena dizer mais alguma coisa?

A ORIGEM DO NATAL

24/12/2008

O Natal é a solenidade cristã que celebra o nascimento de Jesus Cristo. A data para a sua celebração é o dia 25 de Dezembro, pela Igreja Cristã, o dia 7 de Janeiro, pela Igreja Ortodoxa.

Após a celebração anual da Páscoa, a comemoração mais venerável para a Igreja é o Natal do Senhor e suas primeiras manifestações. Ainda sendo uma festa cristã, é encarado universalmente por pessoas dos diversos credos como o dia consagrado à reunião da família, à paz, à fraternidade e à solidariedade entre os homens.

Origem do Termo

Do latim ‘natális’, derivada do verbo ‘nascor, nascéris, natus sum, nasci’, significando nascer, ser posto no mundo. Como adjectivo, significa também o local onde ocorreu o nascimento de alguém ou de alguma coisa. Como festa religiosa, o Natal, comemorado no dia 25 de Dezembro desde o Século IV pela Igreja ocidental e desde o século V pela Igreja oriental, celebra o nascimento de Jesus e assim é o seu significado nas línguas românicas – italiano ‘natale’, francês ‘noël’, catalão ‘nadal’, espanhol ‘natal'( navidad de J.C), português ‘natal’.

Em inglês, a palavra que designa o Natal – ‘Christmas’ – provém das palavras latinas ‘Cristes maesse’, significando em inglês ‘Christ’s Mass”, missa de Cristo. Muitos historiadores localizam a primeira celebração em Roma, no ano 336 D.C.

De ‘natális’ deriva também “natureza”, o somatório das forças activas em todo o universo.

Aspectos Históricos

No ano 245 d.C., o teólogo Orígenes repudiava a ideia de se festejar o nascimento de Jesus “como se fosse um Faraó”. Há inúmeros testemunhos de como os primeiros cristãos valorizavam cada momento da vida de Jesus Cristo, especialmente sua Paixão e Morte na Cruz. No entanto, não era costume na época comemorar o aniversário e portanto não sabiam que dia havia nascido o seu Senhor. Os primeiros testemunhos indicam datas muito variadas, e o primeiro testemunho directo que afirma que Jesus Cristo nasceu no dia 25 de Dezembro é de Sexto Júlio Africano, no ano 221.

De acordo com o almanaque romano, a festa já era celebrada em Roma no ano 336 d.C.. Na parte Oriental do Império Romano, comemorava-se em 7 de janeiro o seu nascimento, ocasião do seu baptismo, em virtude da não-aceitação do Calendário Gregoriano. No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adoptar o dia 25 de Dezembro para o Natal e o dia 6 de Janeiro para Epifania (que significa “manifestação”). Nesse dia comemora-se a visita dos Magos.

A celebração do Natal de Jesus foi instituída oficialmente pelo Papa Libério, no ano 354 d.c..

Segundo estudos, a data de 25 de Dezembro não é a data real do nascimento de Jesus. A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno.

Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de Dezembro foi adoptado para que a data coincidisse com a festividade romana dedicada ao “nascimento do deus sol invencível”, que comemorava o solstício do Inverno. No mundo romano, a Saturnália, festividade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de Dezembro; era um período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de Dezembro era tido também como o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude.

Assim, em vez de proibir as festividades pagãs, forneceu-lhes um novo significado, e uma linguagem cristã. As alusões dos padres da igreja ao simbolismo de Cristo como “o sol de justiça” (Malaquias 4:2) e a “luz do mundo” (João 8:12) revelam a fé da Igreja n’Aquele que é Deus feito homem para nossa salvação.

As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religiosos adoptaram a festa que era celebrada pelos romanos, o “nascimento do deus sol invencível” (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer “cristã”. Para certas correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para simbolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico. Segundo esse princípio, em tese, o Natal do hemisfério sul deveria ser celebrado em junho.

Há muito tempo se sabe que o Natal tem raízes pagãs. Por causa de sua origem não-bíblica, no século 17 essa festividade foi proibida na Inglaterra e em algumas colónias americanas. Quem ficasse em casa e não fosse trabalhar no dia de Natal era multado. Mas os velhos costumes logo voltaram, e alguns novos foram acrescentados. O Natal voltou a ser um grande feriado religioso, e ainda é em muitos países.

O Ponto de Vista da Bíblia

A Bíblia diz que os pastores estavam nos campos cuidando das ovelhas na noite em que Jesus nasceu. O mês judaico de Kislev, correspondente aproximadamente à segunda metade de Novembro e primeira metade de Dezembro no calendário gregoriano era um mês frio e chuvoso. O mês seguinte é Tevet, em que ocorrem as temperaturas mais baixas do ano, com nevões ocasionais nos planaltos. Isto é confirmado pelos profetas Esdras e Jeremias, que afirmavam não ser possível ficar de pé do lado de fora devido ao frio.

Entretanto, o evangelista Lucas afirmava que havia pastores vivendo ao ar livre e mantendo vigias sobre os rebanhos à noite perto do local onde Jesus nasceu. Como estes fatos seriam impossíveis para um período em que seria impossível ficar de pé ao lado de fora em função do frio, logo Jesus não poderia ter nascido no dia em que o Natal é celebrado, e sim na primavera ou no verão. Por isso, a maioria dos estudiosos consideram que Jesus não nasceu dia 25 de Dezembro, a menos que a passagem que narra o nascimento de Jesus tenha sido escrita em linguagem alegórica. Diga-se de passagem que visto que Jesus viveu trinta e três anos e meio e morreu entre 22 de Março e 25 de Abril, ele não poderia realmente ter nascido em 25 de Dezembro.

Fonte: Wikipédia