Posts Tagged ‘demolicoes’

DEMOLIÇÕES NA PRAIA DE FARO SEMPRE VÃO AVANÇAR

22/03/2011

De acordo com uma noticia avançada pelo jornal Público, o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, admitiu hoje que as demolições na Praia de Faro são um processo “incontornável” mesmo não havendo verbas disponíveis de imediato para avançar com a remoção das construções em zona de risco.

Oitenta por cento das construções situadas na área concessionada à autarquia deverão ser demolidas, de acordo com o projecto de Plano de Pormenor (PP) da Praia de Faro, recentemente concluído.

Segundo a mesma fonte, às 282 edificações agora sinalizadas para serem removidas da faixa central da praia juntam-se ainda as 249 dos extremos poente e nascente da praia, cuja demolição já estava prevista, o que significa que só restarão 85 das actuais construções.

Confrontado sobre a existência de verbas disponíveis para avançar com a demolição de mais de 500 construções, Humberto Rosa afirmou que existe a “sensação” de que o processo é “incontornável” mesmo sem dinheiro no imediato. “Ainda que não haja dinheiro de repente, estes planos também não são para ser feitos no imediato”, afirmou o secretário de Estado do Ambiente, sublinhando que o processo “acabará por compensar a prazo”.

“O que seria uma Praia de Faro varrida constantemente no Inverno por temporais com um cordão dunar a rebentar”, questionou o governante, alertando para o impacto económico que as intempéries também têm na Ria Formosa. “A motivação do Ministério do Ambiente é fazer o devidamente planeamento baseado em estudos científicos que apontam o melhor caminho e disso não nos podemos desviar”, concluiu.

Anúncios

PRAIA DE FARO: FRENTE DE MAR VAI SER DEMOLIDA

09/03/2011

De acordo com o jornal Correio da Manhã, o Plano de pormenor prevê 434 demolições na Praia de Faro.

Segundo a mesma fonte, a divulgação do Plano de Pormenor da zona desafectada da Praia de Faro deixou perplexos os residentes. O Plano prevê a demolição de mais 185 habitações na zona desafectada, algumas legais, a juntar às já anunciadas 249, nas zonas nascente e poente. Deverá vir abaixo toda a frente do lado do mar, os restaurantes Paquete, Camané, Zé Maria, Roque e Forte e a colónia de férias, além de dezenas de casas.

POLIS: CASAS PARA DEMOLIR JÁ ESTÃO DEFINIDAS

10/08/2010

De acordo com o Jornal Correio da Manhã (CM), o processo de identificação das casas que vão abaixo nas duas ilhas ainda não está fechado mas a primeira avaliação está terminada, com a notificação dos moradores das casas consideradas como segundas habitações.

Na ilha de Faro, ao que o CM apurou, 165 casas foram consideradas segundas habitações, num total de 214 construções existentes nas zonas Nascente e Poente. Apenas 49 agregados familiares conseguiram provar que residem na ilha a tempo inteiro e não têm outra casa para viver. Na zona Nascente foram identificadas para demolição 55 construções Na área Poente 110. Quanto ao núcleo central, em área municipal, os moradores aguardam pela conclusão do Plano Pormenor que vai definir a área a requalificar ou a demolir.

A recém-criada Associação de Utentes da Ilha de Faro entende que o processo de levantamento das habitações decorreu “em total contradição” com a postura defendida pelo Polis nas reuniões com moradores e que os critérios usados são “difíceis de entender”.

Na ilha da Culatra, de acordo com a mesma fonte, num total de 377 construções existentes, 161 casas foram consideradas segundas habitações. Os moradores já foram informados que os elementos entregues não são suficientes para provar que residem na ilha a tempo inteiro e têm agora dez dias para contrariar a decisão do Polis.

ACÇÃO DO POLIS “É AMADORA”

Os membros da recém-criada Associação dos Utentes da Ilha de Faro (AUIF) dizem estar a ser “ignorados” pela Sociedade Polis Ria Formosa. A colectividade, que diz representar moradores e todos os utentes da ilha num total de perto de 400 associados, acusa a administração do Polis de estar a violar o principio da igualdade ao não ser convocada para as reuniões. “Somos uma colectividade constituída em Maio e queremos fazer parte da comissão de acompanhamento do Programa Polis mas estão a tentar ignorar-nos”, lamentou ao CM Alberto Cabeço, presidente da direcção da AUIF.

A associação começa desde logo por atacar a administração Polis, considerando que o seu “modus operandi da é baseado num almanaque de técnicas policiais executado por amadores”.

400 CASAS A DEMOLIR NA PRAIA DE FARO

20/03/2010

De acordo com uma notícia avançada pelo jornal Barlavento e pela rádio TSF, o Ministério do Ambiente quer demolir todas as habitações da Praia de Faro que se encontram no lado do mar.

Segundo a mesma fonte, a decisão já terá sido comunicada à Câmara Municipal de Faro que, de acordo com declarações do edil Macário Correia à TSF, recebeu um pedido do Ministério do Ambiente para que fornecesse a “informação da história administrativa e urbanística destes terrenos e edifícios”, situados em terrenos afectos à autarquia desde 1956.